Benefícios da entrevista de desligamento

1. A gestão - Identificação de pontos fortes e fracos da gestão da empresa que precisam ser trabalhados, na perspectiva do funcionário. Muitos programas, por exemplo, são implantados e têm seus resultados mensurados através de ferramentas que apontam que esses são eficazes. Mas, conhecer a visão dos profissionais sobre o que a organização adota é, sem dúvida alguma, um diferencial significativo.

2. Lucratividade - Vale registrar que quando se identifica os pontos fortes e os que precisam se melhorados em uma gestão vários benefícios surgem como, por exemplo: melhorai na qualidade dos produtos; excelência no atendimento ao cliente externo; aumento da produtividade; redução do retrabalho, entre outros. Todos esses fatores se traduzem em redução de custos e aumento da rentabilidade. Mais um bom motivo para se aplicar a entrevista de desligamento: possibilidade de aumentar os lucros para a organização.

3. Mudanças - Hoje as palavras mudança e inovação ocupam "espaço nobre" no dicionário organizacional, afinal ninguém mais pode ficar estático se deseja permanecer competitivo. Na entrevista de desligamento, existe espaço para perguntar àquele que deixa de integrar a equipe: "Qual seria a mudança que você faria na organização e qual a razão?". Como ele já não possui mais vínculos, é provável que expresse algo que sempre quis dizer, mas, por um motivo ou por outro, preferiu ficar calado com receio de receber algum tipo de retaliação. Aproveite a oportunidade e deixe que ele se expresse.

4. Líderes - Visão da gestão que as lideranças aplicam junto aos seus liderados. Através da entrevista de desligamento, consegue-se "captar" a essência da relação que o profissional que deixa a empresa mantinha com o gestor, bem como a visão que ele formou da sua liderança.

5. Clima - O clima interno é outro fator que pode ser avaliado durante a realização da entrevista de desligamento. Através da conversa com o ex-funcionário, podem-se pontuar fatores positivos e/ou negativos que envolvem o clima organizacional. Vale lembrar que entrevistador deve ficar atento, pois o talento desligado, talvez expresse sentimentos negativos devido à demissão e isso poderá prejudicar aqueles que ficaram na empresa. Nesse momento, não custa usar o feeling.

6. Feelling - Quando o entrevistador usa o feeling, ele perceberá se o ex-funcionário deixa a empresa com características de quem sentirá saudades, mesmo que ele esteja indo para um novo desafio de carreira. Caso ele demonstre esse sentimento, é sinal de que criou laços, comprometimento com a organização, com os colegas de trabalho. Essa percepção é extremamente relevante para avaliar a Gestão de Pessoas da sua organização.

7. Expectativas - Muitas organizações gastam cifras significativas em programas que objetivam reter seus talentos. Contudo, essas ações parecem que não atingem seu foco e o índice de turnover permanece preocupante, principalmente quando os profissionais em questão assumem cargos estratégicos. Por que isso ocorre? Porque nem sempre a empresa tem o cuidado de saber as reais necessidades dos seus colaboradores. Se antes de implantar um programa de benefícios, por exemplo, a organização tem a preocupação de pesquisar, conversar com os funcionários para de saber quais itens que realmente farão o diferencial e trarão melhorias para suas vidas, o investimento terá sido muito bem aplicado. Caso contrário, corre-se o risco de oferecer "produtos" considerados irrelevantes para determinado público. Na entrevista de desligamento, é perfeitamente possível ficar frente a frente do ex-funcionário e questionar se um dos motivos da sua saída, caso a iniciativa parta dele, esteja relacionada a alguma expectativa frustrada.

8. Ele ficaria? - Algum fator faria esse profissional permanecer na empresa? O que seria, então? Se quem conduz a entrevista de desligamento conseguir essa resposta, talvez possa identificar um fator que contribui para a rotatividade da empresa, mas que está passando despercebido pelos dirigentes.

9. Imagem - Deve-se ter uma constante preocupação com a imagem da organização forma junto ao público interno ao externo. Por isso, quando um funcionário é desligado da empresa é importante saber que imagem ele formou e que levará do tempo que atuou na companhia. Lá "fora" o ex-funcionário será um formador de opinião e certamente repassará aos familiares, aos amigos e aos profissionais da área a opinião do seu último emprego.

10. E o RH? - Talvez muitos profissionais de Recursos Humanos não queiram pontuar essa questão na entrevista de desligamento, mas qual a opinião que o ex-colaborador possui da área? Será que sua atuação é apenas burocrática ou já existe uma atuação de parceria estratégica do negócio? Avaliar todos os demais setores da empresa, as lideranças e perder a oportunidade de ter um feedback sobre o trabalho que desenvolve é demonstrar sinal de maturidade profissional e, acima de tudo, de coragem e de dignidade.